Tudoem Mogi das Cruzes
Tudoem Mogi das Cruzes Tudoem Mogi das Cruzes Tudoem Mogi das Cruzes Tudoem Mogi das Cruzes Tudoem Mogi das Cruzes Tudoem Mogi das Cruzes Tudoem Mogi das Cruzes Tudoem Mogi das Cruzes

Close
Fechar
Conheça as outras cidades onde o Tudoem esta presente
Tudoem Mogi das Cruzes

77% das vítimas de abuso dão sinais

Fonte:Prefeitura de Arujá
Tudoem Mogi das Cruzes
Tudoem Mogi das Cruzes

77% das vítimas de abuso dão sinais do trauma vivido, afirma juíza em Arujá

 

      “77% das vítimas de abuso dão sinais do trauma causado por essa experiência violenta. A sociedade deve estar atenta para notar esse comportamento”. A afirmação da juíza Tatiane Moreira Lima, do Fórum Criminal da São Miguel Paulista, foi dada no evento que marcou o Dia Internacional do Combate à Violência Contra a Mulher, nesta segunda-feira (25/11), na Câmara. A iniciativa foi da Secretaria de Assistência Social de Arujá e do Conselho dos Direitos da Mulher.

        A palestra apresentou estatísticas, casos e questões técnicas relacionadas ao acolhimento, além de apontar as mudanças mais comuns na forma de se comportar das pessoas que sofreram abuso: queda no rendimento, disfunção alimentar, agressividade, incontinência urinária, medo de estar só, vestir-se com roupas inadequadas para o clima, necessidade de cobrir o corpo, erotização ou interesse inapropriado por sexo (no caso de crianças), automutilação e tentativa de suicídio.

       “É importante saber quais são esses sinais. 165 crianças são abusadas todos os dias no Brasil, sendo que um terço dos abusadores são da própria família e se valem de um pacto de segredo junto às vítimas, usando de violência física e psicológica para mantê-las em silêncio. A maior parte desses abusos acontece dentro de casa e por mais de um ano. 80% deles não são revelados”, destacou a juíza, que falou por mais de duas horas às mais de 60 pessoas presentes.

       “Existem conflitos internos, medo, vergonha e culpa. As pessoas que foram violentadas acham que de alguma forma causaram esse comportamento. É preciso parar com essa cultura de tentar achar uma justificativa para culpar a vítima, que muitas vezes é apenas uma criança, um adolescente ou uma mulher, alguém que não conseguirá mais ter relações afetivas”, disse Tatiane, pontuando ainda o acolhimento humano que deve ser dispensado às pessoas dispostas a relatar um abuso.

         Para um plenário com a presença da secretária de Assistência Social, Maria Luzia Bortone Salles Couto, as adjuntas Lucia Ribeiro e Marina Bernardo, assistentes sociais, psicólogos e demais servidores, além do comandante da Guarda Municipal, José Carlos Silva, a juíza alertou para a necessidade de ter empatia, não julgar as vítimas e nem o fato de, muitas vezes, elas não criminalizarem o abusador: “Quem somos nós para julgar? É preciso se colocar no lugar do outro”.

         Iniciativa   

        Ao final do evento, que contou com alguns minutos para o esclarecimento de dúvidas e interação com o público, a secretária Maria Luzia Bortone Salles Couto parabenizou a juíza Tatiane e lembrou que a mesma ministrou, em junho, uma capacitação aos servidores da Assistência Social. “Nossa gratidão por tantas informações valiosas e por esse trabalho acima de tudo humano, e que é tão importante”, afirmou.

         Plantão

         Representando a OAB-Arujá, Regina Ávila lembrou aos participantes do encontro que a entidade oferece um plantão especial para as mulheres que sofrem violência doméstica e para crianças e adolescentes vítimas de pedofilia. O atendimento é gratuito e ocorre todas as quintas-feiras, das 13h30 às 16h30, na própria sede (Avenida Antônio Afonso de Lima, 606).

 

Autor

Tudoem

Prefeitura de Arujá

Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Arujá

pma.imprensa@aruja.sp.gov.br

admtudo*

Comentários

Voltar ao Topo